[Des] Ensinando

Desconstruindo ideias e reformando pensamentos

Top 5 – Filmes para refletir sobre…

1. O amor 
“O Fabuloso Destino de Améllie Poulain” 

Sinopse:  Após deixar a vida de subúrbio que levava com a família, a inocente Amélie (Audrey Tautou) muda-se para o bairro parisiense de Montmartre, onde começa a trabalhar como garçonete. Certo dia encontra uma caixa escondida no banheiro de sua casa e, pensando que pertencesse ao antigo morador, decide procurá-lo ­ e é assim que encontra Dominique (Maurice Bénichou). Ao ver que ele chora de alegria ao reaver o seu objeto, a moça fica impressionada e adquire uma nova visão do mundo. Então, a partir de pequenos gestos, ela passa a ajudar as pessoas que a rodeiam, vendo nisto um novo sentido para sua existência. Contudo, ainda sente falta de um grande amor.

Trailer: http://http://www.youtube.com/watch?v=bxyBq9StYYs

2. Escolhas 
“Into the wild – Na natureza selvagem” 

Sinopse: A trama, que foi baseada em fatos reais, se passa no início da década de 90 e narra as andanças de Crhis McCandless num período que compreende cerca de dois anos. Logo após terminar sua graduação, ele doou suas economias para uma instituição de caridade e colocou o pé na estrada. Ele pretendia colher e acumular experiências autênticas e conhecimentos até estar pronto para aquela que ele chamava de ‘a grande aventura‘: sobreviver com o mínimo possível em uma região selvagem do Alasca. Somente algumas semanas depois de sua partida, sua família descobre que ele deixara o apartamento que alugara em uma outra cidade, onde estaria supostamente dando continuidade aos estudos. Somente Carine compreende aquilo que o irmão está tentando dizer com sua fuga, Walt (William Hurt) e Billie (Marcia Gay Harden), seus  pais, aparentam ignorar que exista uma mensagem naquela atitude e principalmente que ela estava sendo direciona justamente a eles.

Em suas andanças pelo território americano Crhis encontra pessoas que de uma forma ou de outra irão afetar e transformar sua visão de mundo, há nesta grande viagem um claro processo de amadurecimento, que o roteiro astutamente usa a seu favor. O filme, que possui uma longa duração, é divido em capítulos, que vão do ‘Meu Nascimento‘ ao ‘Tornando-se Sábio‘. Nele, duas sequências sintetizam de forma brilhante este processo que levaria o personagem à maturidade: A primeira mostra o momento em que o jovem abandona seu velho Datsun e queima o pouco de dinheiro que levava consigo, este é o instante da ruptura. Com estas atitudes Crhis simbolicamente se desprende da sociedade (e dos pais) e se declara independente. A outra sequência, que se passa quando ele já está em um meio selvagem e hostil, mostra seu esforço para preservar a carne de um alce que ele acabara de matar, esta passagem sela seu contato com a natureza, porém de uma forma que nem ele mesmo esperava (preste bastante atenção nesta passagem).

Mas não é só o Crhis que é impactado durante sua ‘peregrinação’, ele cativa a maior parte daqueles que cruzam seu caminho com seu jeito aventureiro e com seu idealismo quase inocente e estas pessoas também acabam sendo sutilmente transformadas – outro aspecto que também fica evidente nos relatos publicados no livro – quase todos compreendem que, apesar de ser radical, o comportamento dele é cheio de verdade e o que ele está fazendo é algo que demandaria no mínimo uma grande coragem, coisa que pouquíssimos têm. Estes personagens com quem ele interage são pessoas comuns, diferentes entre si, mas semelhantes por terem a alma livre de acordo com a sua visão. Inevitavelmente, nós espectadores embarcamos junto com ele nesta aventura e, identificando ou não com seu jeito de fazer as coisas, o seguimos até o Alasca e é daí que surge o impacto que experimentamos ao final do filme, aprendemos com ele e com aqueles com quem ele se relaciona nesta jornada que existe um mundo além das convenções às quais nos acostumamos…

Emile Hirsch está soberbo no papel principal, é notável sua entrega ao personagem, o que, confesso, me surpreendeu muito na primeira vez que vi o filme. O grande elenco conta ainda com nomes como Catherine Keener, Vince Vaughn, Kristen Stewart, e Hal Holbrook (que foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante), todos, inclusive os mencionados anteriormente, estão muito bem, em atuações naturais e sem exageros, que tornam seus personagens cativantes justamente por serem tão humanos. A história se desenvolve de forma não linear, através de flashbacks e este recurso salienta um efeito dramático de causa e efeito, ação e consequência… O roteiro do filme é muito bem escrito, Sean Penn soube aproveitar o material que tinha em mãos, ele inclui no filme diversas citações da obra literária, sem no entanto transparecer que usou o material de Krakauer como muleta, este conteúdo é usado por ele de forma sútil, quase poética.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=D4SeyeHEC6I

3. A Vida
“Fight Club – Clube da Luta” 

Sinopse: Jack (Edward Norton) é um executivo jovem, trabalha como investigador de seguros, mora confortavelmente, mas ele está ficando cada vez mais insatisfeito com sua vida medíocre. Para piorar ele está enfrentando uma terrível crise de insônia, até que encontra uma cura inusitada para o sua falta de sono ao frequentar grupos de auto-ajuda. Nesses encontros ele passa a conviver com pessoas problemáticas como a viciada Marla Singer (Helena Bonham Carter) e a conhecer estranhos como Tyler Durden (Brad Pitt). Misterioso e cheio de ideias, Tyler apresenta para Jack um grupo secreto que se encontra para extravasar suas angústias e tensões através de violentos combates corporais.

Aqui tem uma comparação interessante entre Clube da Luta e Calvin & Haroldo: http://nerdrevollution.wordpress.com/2011/01/23/calvin-haroldo-e-clube-da-luta/

 

Trailer:http://www.youtube.com/watch?v=Fs0-4NLSO2Y
4. Um mundo de aparências e de simulações
“American Beauty – Beleza Americana” 
Sinopse: Beleza americana é um filme dos Estados Unidos, produzido em 1999, do gênero Drama, que foi dirigido por Sam Mendes. A respeito da trama que se passa no filme, Lester Burham é um homem de 40 anos, aproximadamente, que aparentemente atravessa uma crise de meia idade intensa. Seu relacionamento com Carolyn parece desandar, enquanto Carolyn se esforça para superficialmente apresentar uma imagem de que ela está em pleno controle da sua vida, enquanto por dentro, demonstra se sentir vazia. Sua filha adolescente, Jane é constantemente deprimida, carente de auto-estima. Seus problemas não são ajudados por sua melhor amiga, Angela, uma aspirante à modelo que é muito bonita e acredita que só isso faz dela uma pessoa de valor. Lester passa a sentir um incontrolável desejo por ela, e ela se torna parte de seu plano drástico para mudar seu corpo e mudar sua vida. Enquanto isso, na porta ao lado, o coronel Fitts passou a vida no Corpo de Fuzileiros Navais e não entende ou tolera outra forma de vida, o que dificulta a vida de seu filho Ricky, um aspirante à cineasta e, ao mesmo tempo traficante que está obcecado com a beleza, onde quer e seja ela qual for.
Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=2XTFLfF6h6k
5. A imagem da mulher na sociedade
“Fried Green Tomates – Tomates Verdes Fritos”
Sinopse: Evelyn Couch (Kathy Bates) é uma dona de casa emocionalmente reprimida, que habitualmente afoga suas mágoas comendo doces. Ed (Gailard Sartain), o marido dela, quase não nota a existência de Evelyn. Toda semana eles vão visitar uma tia em um hospital, mas a parente nunca permite que Evelyn entre no quarto. Uma semana, enquanto ela espera que Ed termine sua visita, Evelyn conhece Ninny Threadgoode (Jessica Tandy), uma debilitada mas gentil senhora de 83 anos, que ama contar histórias. Através das semanas ela faz relatos que estão centrados em uma parente, Idgie (Mary Stuart Masterson), que desde criança, em 1920, sempre foi muito amiga do irmão, Buddy (Chris O’Donnell). Assim, quando ele morreu atropelado por um trem (o pé ficou preso no trilho), Idgie não conseguia conversar com ninguém, exceto com a garota de Buddy, Ruth Jamison (Mary-Louise Parker). Apesar disto Idgie era bem doce, apesar de nunca levar desaforo para casa. Independente, ela faz seu próprio caminho ao administrar uma lanchonete em Whistle Stop, no Alabama. Elas tinham uma amizade bem sólida, mas Ruth faz a maior besteira da sua vida ao se casar com Frank Bennett (Nick Searcy), um homem estúpido que espanca Ruth, além de ser secretamente membro da Ku Klux Klan. Inicialmente Ruth tentou segurar a situação, mas quando não era mais possível Idgie foi buscá-la, acompanhada por dois empregados. Idgie logo dá a Ruth um emprego em sua lanchonete. Por causa do seu jeito de se sustentar sozinha, enfrentar Frank e servir comida para negros no fundo da lanchonete, Idgie provocou a ira dos cidadãos menos tolerantes de Whistle Stop. Quando Frank desapareceu misteriosamente muitos moradores suspeitaram que Idgie, Ruth e seus amigos poderiam ser os responsáveis.
Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=epG1GuOGYws
E vocês, conhecem algum filme legal para indicar? Deixe aqui nos comentários! 
Anúncios

Um comentário em “Top 5 – Filmes para refletir sobre…

  1. Cássio Suzuki
    18 de agosto de 2013

    2.Escolhas:

    MR NOBODY. puta filme sensacional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 17 de agosto de 2013 por em Apresentando.
%d blogueiros gostam disto: